No âmbito da implementação do projecto “O Olheiro Municipal”, a Kukumbi , uma organização de desenvolvimento rural, apresentou, no passado dia 13 de Fevereiro, um estudo de organizações e assuntos de interesse municipal, de Quelimane. O evento contou com a participação do Conselho Municipal de Quelimane, representado pelo seu Presidente, Manuel de Araújo e Renato M. Silva, Vereador de Planificação Desenvolvimento Autárquico, para além do Director do Programa DIÁLOGO , Silvestre Baessa, instituições do governo, organizações da sociedade civil, Associações de Estudantes das Universidades UP, Politécnica e UEM, grupos cívicos e rádios comunitárias.

O projecto “O Olheiro Municipal” realizado em parceria com o DIÁLOGO, tem como objectivo promover o estabelecimento de espaços funcionais de interacção entre os cidadãos e as instituições do município, em redor de assuntos de governação municipal.

O estudo apresentado visava analisar e mapear a opinião dos diferentes actores-chave que constituem canais e espaços para a implementação do projecto “O Olheiro Municipal”, no município de Quelimane. Foi nesta perspectiva que, no seu discurso de abertura, o Presidente do Município de Quelimane agradeceu à Kukumbi a oportunidade que lhe foi concedida de poder interagir com vários actores de desenvolvimento municipal, tendo salientado também a importância daquele estudo para a gestão municipal. “O estudo sobre o mapeamento das organizações e assuntos de interesse municipal é mais um documento de identificação de problemas e percepções dos munícipes de Quelimane, cujas constatações irão ajudar na elaboração do plano de actividades do ano de 2014”, referiu Araújo. 

O estudo, que decorreu entre Outubro e Novembro de 2013, foi coordenado por um grupo de docentes e estudantes da Universidade Pedagógica, tendo abrangido um total de 700 munícipes, dos quais 291 mulheres e 409 homens, entre eles 492 jovens, e teve como principais constatações:

    77% dos inquiridos desconhecem a existência das estruturas municipais. Contudo, os Conselhos de Escola (7%) são os que se posicionam melhor relativamente às restantes estruturas municipais;
    91% dos inquiridos sabem da existência do município;
    35% dos inquiridos não conhecem nenhuma política municipal (a maioria). O IPA-Imposto Pessoal Autárquico é a política mais conhecida (21%) pelos inquiridos;
    Apesar da maior parte ter ouvido falar do município (48%) não sabe o que é;
    84% dos inquiridos afirmaram que os problemas são identificados através de reuniões nas unidades residenciais;
    73% dos inquiridos afirma é de opinião de que a difusão de informação é feita através dos líderes comunitários, enquanto 12%  refere-se as Rádios Comunitárias;
    92% dos inquiridos afirmaram que nunca participaram na elaboração do orçamento municipal;
    Os 3 problemas que mais preocupam os moradores nas unidades residenciais são o banditismo (19%), atendimento nas unidades sanitárias (16%) e transporte urbano (16%).
    78% dos inquiridos, quer das associações assim como individuais, nunca foram capacitados em matéria alguma;
    Os inquiridos que alguma vez foram capacitados em HIV representam 32% dos inquiridos e 9% foram capacitados em saúde sexual e reprodutiva.

Como resultado da análise e debate das constatações do estudo, foram definidos os passos a seguir, que se circunscrevem a:
    Reunir actores para a constituição de espaços de interacção como Plataforma e Observatório;
    Em coordenação com o município, promover a criação de espaços de interação numa base formal e/ ou institucionalizada (Plataforma e Observatório Municipal);
    Trabalhar com os media para a divulgação dos resultados das acções de interação;
    Realizar acções de advocacia;
    Promover debates em torno dos principais temas de interesse dos munícipes através de whorshops, encontros de reflexão e debates radiofónicos.

There are no comments yet.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: