Senhor Presidente da República de Moçambique, Excelência,
Senhor Governador da Província da Zambézia, Excelência,
Senhor Ministro da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, Excelência,
Senhores Deputados, Excelências,
Senhores Membros do Governo, Excelências
Senhores Presidentes dos Tribunais Judicial e Fiscal Provincial, Excelência,
Estimados Líderes Religiosos,

Sejam bem vindos ao solo municipal Quelimanense! Sejam bem vindos a terra da galinha a zambeziana e da mukapatha! Sejam bem vindos a terra das bicicletas e do nyambaro!

Permitam-se iniciar esta Carta Aberta dirigindo palavras de louvor e aclamação à Sua Excelência, Senhor Presidente da República, Jacinto Filipe Nhussi, entanto que o Mais Alto Magistrado da nossa Republica. As nossas palavras de louvor e aclamação são estendidas à toda prestigiosa Assembleia Religiosa que partindo de diferentes cantos do nosso país e do mundo, se juntaram a nós para partilharmos experiências, ensinamentos, princípios e valores religiosos que no dia-a-dia transmitimos aos nossos crentes, as nossas comunidades religiosas e aos nossos povos.

Agradecemos aos organizadores do evento por terem escolhido a nossa cidade, o nosso município, como sendo o altar apropriado para realização desta III Conferência Nacional Religiosa, num momento tao precioso da historia da nossa patria. Ao nossos ver, alguns factores influenciado a escolha do Município da Cidade de Quelimane para a realização deste reencontro religioso. Para além de uma opção meramente logística, relevante no contexto em que nos confrontamos com a crise financeira e os apelos da racionalidade económica e financeira, acreditamos que a vossa escolha também deveu-se ao facto da Província da Zambézia e o Município da Cidade de Quelimane desempenharem um papel importante no desenvolvimento e expansão dos princípios e dos valores religiosos da fraternidade, do amor à Deus e ao próximo. Somos uma Província religiosamente heterogénea com a capacidade de aceitarmos de forma tolerante e fraterna, todos os tipos de diferenças. Somos reconhecidos como uma Província heterogénea, pluralista, com maior número de crentes professando diferentes religiões, entre elas:
• Católica,
• Anglicana
• Islâmica
• Sião/Zione
• Hindu
• Religião Evangélica/Pentecostal – inclui as Igrejas Adventistas, Apostólicas, Baptistas, Evangélicas, Luteranas, Metodistas, Presbiterianas,

A província da Zambézia de que somos capital, é um verdadeiro mosaico religioso onde 40.0% da sua população professa a religião Crista na sua vertente Católica. De acordo com os dados oficiais, a população que professa a religião Islâmica representa entre dez a vinte por cento da população da Zambézia. E desta, maior parte é da zona urbana (10.8%). As outras religiões: Zione, Evangélica, Luterana, Metodista são professadas por 14.6% da população da Província. Os desafios da evangelização na província ainda persistem. Temos 15.2% da nossa população que não professa nenhuma religião. A despeito das diferenças doutrinais, as diferentes instituições religiosas existentes nesta Província estão unidas por uma visão comum do mundo que ancora toda a vida na autoridade de um ser Sagrado e num ethos compartilhado que se expressa através do amor, da paixão e da fraternidade entre os homens.

A nossa Constituição da República de Moçambique estabelece que somos um Estado laico. A laicidade do Estado assenta na separação entre o Estado e as confissões religiosas. Mesmo com esta dimensão da laicidade, precisamos de reconhecer o importante papel das confissões religiosas na moralização da sociedade moçambicana, de um lado, assim como, precisamos de reconhecer e valorizar as actividades das confissões religiosas visando promover um clima de entendimento, tolerância, paz e da fraternidade, o bem-estar espiritual e material dos cidadãos e o desenvolvimento económico e social. A análise que fizemos a este pressuposto constitucional leva ao entendimento de que, embora, Moçambique seja um Estado Constitucionalmente laico, o Estado nos seus mais diversos níveis privados e público da sua actuação funda-se nos princípios e valores religiosos da fraternidade, do amor ao próximo. Estes princípios são valores e princípios que nos inspiram para o respeito, a tolerância, o amor ao próximo, a fraternidade e a filantropia que cada um de nós, como líderes religiosos, dirigentes das instituições públicas ou privadas.

Em Moçambique, na Zambézia e em Quelimane particularmente, nos mais diversos processos históricos e políticos, as confissões religiosas desempenharam, diferentes papeis quer nos processos de desenvolvimento político, económico e social, assim como de reconciliação nacional. Refira-se que durante os conflitos armados, que terminou com a assinatura do Acordo geral de Paz e a assinatura do Acordo de Cessação de Hostilidades, as confissoes religiosas, como maior destaque para a Igreja Católica e o Conselho Cristão de Moçambique defendiam junto do governo e nao so. a política de reconciliação nacional.Por isso, no actual diálogo político em que a Paz e Estabilidade Política estão sendo ameaçadas, as Instituições Religiosas são convidadas a tornarem-se mais actuantes na busca dos caminhos da Paz e da Estabilidade Nacional.

Neste momento crucial da historia da nossa jovem democracia, seria importante recordar a Primeira Carta Encíclica de Paulo aos Coríntios quando dizia o seguinte: ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos e não tivesse o amor, seria como o metal que soa ou como o sino que treme. A carta do Apostolo Paulo é uma das mais belas obras religiosas que encontramos na Literatura e que achamos relevante partilharmos com os membros das diversas confissões religiosas presentes nesta III Conferência Nacional Religiosa e nao so. O apóstolo Paulo inspirou-se de um antigo hino cristão e o adaptou para ajudar os leitores da carta a entenderem seu recado e transmitirem a pedagogia do amor, da fraternidade, da compaixão e da esperança. Paulo recorda-nos que o maior Dom que possa existir na vida é o amor e a fraternidade dedicados à Deus e ao Próximo.

O que Paulo afirma na sua carta dirigida aos Coríntios também está em Mateus 22, 34-40 34. Sabendo os fariseus que Jesus reduzira ao silêncio os saduceus, reuniram-se e um deles, na altura entendido como o Doutor da Lei, perguntava a Jesus Cristo para pô-lo à prova: Mestre, qual é o maior mandamento da Lei de Deus? Respondeu Jesus:
– Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma e de toda tua inteligência. Estes são os primeiros e maiores mandamentos;
– Amarás teu próximo como a ti mesmo.
Nesses dois mandamentos encontramos a inspiração, a fonte da luz, da esperança que orientam os profetas, as confissões religiosas. Nestes mandamentos, as instituições do Estado e os municípios devem buscar a fonte de inspiração e de actuação na defesa da fraternidade e da irmandade.

Encontramos também dentro dos pilares do Alcorão a fé da nossa religião islâmica que se opõe à exclusão, a separação, ao abandono, a discriminação e estigmatizarão do próximo. No final da Surata Al Bacará diz: “Todos os crentes creem em Allah, em Seus anjos, em Seus Livros e em Seus mensageiros. Nós não fazemos distinção entre os Seus mensageiros.” (Alcorão Sagrado, 2:285). Essa ética divina invocada pelo Alcorão é seguida por todo muçulmano que visualizam todos os profetas e mensageiros com todo o respeito, porque todos foram enviados por Deus com uma só mensagem: o de adorarmos somente a Allah, e não Lhe atribuirmos parceiros. Portanto, são irmãos na convocação das pessoas para a senda de Deus.

Meus Senhores e minhas Senhoras,
Realizamos a III Conferência Nacional Religiosa num momento em que o país confronta-se com dois principais desafios nos quais em cada dia a Paz e a Estabilidade Política encontram-se ameaçadas.
O primeiro desafio tem o carácter político: nos últimos dias, adensou o clima de desconfiança e tensão que envolve a política moçambicana desde as eleições de 2014 e que levou aos confrontos armados de Julho, na província de Tete. O ambiente de tensão que estamos vivendo tem revelado que apesar da Paz alcançada em 1992 o processo de reconciliação, da consolidacao da democracia, do amor e da fraternidade nacional ainda continuam sendo frágeis. Negociamos armados, inspirados no odia, na vinganca! Negociamos para aldrabar o outro, para humilhar e espezinhar o proximo! Negociamos para derrotar ao proximo e podermos proclamar a nossa victoria! Um acordo que cria vencidos e vencedores nao e, e nem sera, a solucao para os problemas de uns e de outros! Um acordo baseado nesses principios e com toda a certeza, a materia prima para o proximo troar de armas entre irmaos! Por isso, se quisermos encontrar uma solução sustentável em relação às reivindicações apresentadas por uma ou por outra formação política, deveremos alterar o nosso paradigma de análise e observação do espectro de conflito em que o nosso sistema político pode estar atravessando. Caros líderes religiosos, caros parlamentares, membros do governo, do corpo diplomático, membros da sociedade civil amantes do povo mocambicanos. O melhor medico nao aquele que nos receita o remedio mais doce, menos amargo, ou menos doloroso, mas sim aquele que nos receita a medicacao correcta, por mais amarga ou dolorosa que seja! O melhor amigo nao aquele que nos elogia, mas sim aquele que mesmo sabendo da nossa possivel reaccao tem a coragem de nos dizer a dura verdade sobre nossos actos e pensamentos! A persistência do conflito em que o País vive e tem dificuldade de supera-lo passa necessariamente pela necessidade de superação de alguns preconceitos negativos com os quais fomos socializados desde a nossa infância, a adolescência e teimamos em ainda conviver com eles. A sociedade moçambicana precisa de desconstruir o conceito oposição=inimigo que deve ser extirpado e excluído do campo político nacional. Precisamos de aceitar com humildade, o pensar diferente com o sentido elevado da fraternidade, do amor e carinho ao próximo! Todos, independentemente das nossas diferenças, pertencemos a este espaço, chamado Mocambique Como filhos de Deus merecemos todo o respeito, a dignidade, o amor e a concórdia. É dentro destes princípios onde enquadramos o discurso do Senhor Presidente Felipe Nhysi quando declarou-se disposto a encontrar-se com o líder da oposição para falar da Paz, da Reconciliação e do Desenvolvimento e ultrapassar o potencial de risco e da guerra. Excias, o mundo onde o nosso pais se encontra, esta numa competicao intensa entre regioes e entre paises! Enquanto nos distraimos com querelas internas, outros paises vao tomando aquele que e e deverioa ser o nosso lugar no ‘Concerto das Nacoes’! Quando acordarmos, ja o comboio do progresso tera apitado tres vezes e partido…

O segundo desafio nacional tem um carácter económico: apesar de todos esforços feitos pelo Estado e pelas confissões religiosas que lutam em prol do desenvolvimento e crescimento económico, a maior parte da população moçambicana vive com níveis de pobreza bastante alarmantes. A pobreza e a desnutrição continuam com níveis bastante elevados. Nos últimos anos, o crescimento do consumo per capita diminuiu drasticamente e a corrupção permanece alta. Nas zonas rurais prevalece a baixa produtividade em virtude do baixo acesso aos fertilizantes e insumos agrícolas, fraco acesso ao crédito e falta de infra-estruturas. Estes e outros aspectos concorreram para que o cumprimento das metas dos Objectivos do Desenvolvimento do Milénio (ODM) não fosse atingido.

A exclusao economica e uma ameaca a paz e por isso deve merecer a atencao de todos os actores, incluindo as confissoes religiosas.

Confrontados com os elementos do contexto político e económico, em que o país esta vivendo actualmente, existem três passos importantes que exigem uma reflexão:

a) Primeiro, precisamos de desenvolver uma Campanha em favor da Fraternidade, da Concórdia e da Reconciliação Nacional. A proposta de uma Campanha em favor da Fraternidade, da Concórdia e da Reconciliação deverá envolver todos os moçambicanos sem distinção das suas cores políticas, religiosas, culturais e nem étnicas. Com base nessa campanha deveremos assumir que cada um de nós, líderes religiosos, políticos e dirigentes sejam inspirados pelo princípio do Apóstolo Marcos que nos ensina a ‘vivermos para servir o povo e não para nos servirmos do povo’.

b) Segundo, para além de uma Campanha Nacional em favor da Fraternidade, da Concórdia e da Reconciliação, precisamos de estabelecer um compromisso colectivo entre as Religiões e o Estado para que se reflicta no respeito da Dignidade Humana, bem como na Justiça Social, no Serviço da Igreja à sociedade. Aparece a preocupação das lideranças da Igreja com o seu agir direccionando a sugestões pastorais para a vivência da Campanha da Fraternidade nos diversos locais de culto e nao so como as mesquitas, dioceses, paróquias, Sinagogas e comunidades.

c) Terceiro, o projecto e a visão social que precisamos de estabelecer devem colocar no centro da sua agenda a importância da dignidade humana, do bem comum e da justiça social. Precisamos de reforçar o papel das Religiões e coloca-la ao Serviço da sociedade. Precisamos de reflectir muito mais o papel das lideranças da Igreja com o seu agir fraterno direccionando sugestões pastorais para a vivência da Campanha da Fraternidade.

Terminamos esta Carta Aberta reiterando que cada um dos crentes das nossas confissões religiosas; Cada um dos membros das nossas comunidades; cada um dos membros das nossas formações políticas; cada um dos membros das nossas instituições públicas ou privadas precisam do amor,da fraternidade, da justiça (social, politica e social, e da concórdia, enfim da INCLUSAO. As nossas confissões religiosas desempenham um papel importante para o alcance destes valores preciosos procurados por todos.

Os nossos crentes, as nossas comunidades, as nossas instituicoes religiosas precisam de encontrar o carácter superior do amor transformado em obras produzidas em favor dos crentes e dos povos. Por isso, cabe a cada de nós, presentes e ausentes deste fórum o compromisso colectivo para a materialização dos anseios colectivos do nosso povo e da nossa patria. Esta patria e de todos, nao devendo haver cidadaos da primeira e cidadaos da segunda!

Sintam-se em casa na paz do Senhor!

PRESIDENTE DO CONSELHO MUNICIPAL DA CIDADE DE QUELIMANE

Manuel de Araújo

There are no comments yet.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: